sexta-feira, 26 de junho de 2009

extravagância popular

Nem sempre sucesso e talento andam de mãos dadas. Aliás, no cenário musical contemporâneo quase sempre esses adjetivos estão brigados. Cresce a cada dia a quantidade de artistas e bandas com estrelato mundial, mas efêmero. Que se dissolve em pouquíssimo tempo. Mas o norte-americano Michael Jackson passou longe dessa regra. Para muitos, ele lidera a lista de maiores artistas de todos os tempos. Soube casar com perfeição a dimensão de ser um astro da música popular mundial com um talento artístico indiscutível. Fruto disso foram suas performances e canções, que habitam o inconsciente coletivo, e os números: ele já vendeu mais de 750 milhões de discos.
Porém, o "rei do pop" também deixou como marca registrada suas excentricidades, certamente oriundas de traumas psicológicos acumulados em conturbada relação com o pai. A obsessão pela juventude e por um "padrão de beleza" (leia-se branco do cabelo liso!) imposto culturalmente em todo o planeta, o fez escravo dele próprio. Michael Jackson morava, até recentemente, em um rancho gigantesco, na Califórnia, cujo nome significava "Terra do Nunca", numa reverência ao famoso ícone da eterna jovialidade, Peter Pan. Adorava ficar rodeado de crianças. Teve três filhos com nomes um tanto narcisistas: Prince Michael I, Paris Michael e Prince Michael II.
Contudo, o maior exagero da vida de Michael, sem dúvida, foi a mutação física por que decidiu passar. As cirurgias plásticas por questões meramente estéticas - e num período em que estava ainda bem jovem - são "café pequeno" perto da processo camaleônico do astro pop. Ele literalmente mudou de cor. Deixou de ser negro e virou branco, sob contestada alegação de problemas de pele. Foi a maior aberração de que se tem notícia no universo artístico. A falta de visão do futuro - pois a auto-estima do povo negro nunca esteve tão alta - o fez se transmutar em busca do padrão de beleza.
Com renascimento previsto ainda para 2009, pois ele já estava morto para a música há mais de 15 anos, Michael Jackson, a carcaça, morreu ontem (25), surpreendendo a todos (pois não vinham sendo publicadas notícias de problemas de saúde dele), após uma parada cardíaca. Mas o principal é que ele deixa um legado musical digno, concreto e imortal.

4 comentários:

Alder disse...

rapaz só Michael Jackson conseguiu a proeza de nascer negro e morre branco sempre perfeito em tudo q faz saudades saudade e saudades

Rogério disse...

Concordo que Michael Jackson deixará saudades, porém você foi muito infeliz ao chamar de "proeza" o fato de nascer negro e morrer branco.

Alder disse...

Adoruuuuuuuuuuuuuuuuu isso meus comentarios são polemicos acessem e divulguem muito bom agora Rogerio fale se o nosso rei do pop nao foi o unico com essa Proeza kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

Rogério disse...

Alder, realmente Michael Jackson conseguiu ficar branco, mas dizer que isso é uma proeza...
Rapaz, sem comentários!!!